Reprodução Internet

O uso do protetor solar nos dias de muito sol e calor é fundamental para a proteção do corpo. Ainda que a maioria das pessoas só lembrem do protetor na hora de ir para a praia ou pegar aquela piscina, é só com a sua utilização diária que se previne doenças como câncer de pele, manchas causadas pela exposição aos raios UVA e UVB e queimaduras.

Dentre as enfermidades causadas pela exposição aos raios solares, a mais conhecida é o câncer de pele. Ele age de maneira agressiva ao corpo e pode se agravar se não tratado de forma correta. Um dos fatores de risco para a doença é a exposição extrema ao sol. Quanto mais queimaduras sem proteção adequada, maior as chances dela desenvolver a doença.

Vale lembrar que não é somente no verão que usar o protetor é importante. Sua aplicação deve ser realizada todos os dias, em qualquer estação do ano. Existem vários tipos de filtro, dentre eles o filtro em gel, aerosol e creme hidratante, fórmula mais utlizada do produto.

É considerável também que o filtro deve ser de acordo com cada tom de pele. Todo filtro solar tem um número que determina o seu FPS (Fator de Proteção Solar), que pode variar de 2 a 100 (nos produtos comercializados no Brasil). O FPS mede a proteção contra os raios UVB, responsáveis pela queimadura solar, mas não medem a proteção contra os raios UVA.

O fator de proteção solar representa o tempo a mais que a pele fica protegida. Por exemplo, se sua pele leva cinco minutos para sofrer os efeitos do sol, ao passar um protetor com fator de proteção solar 15, a pele fica protegida por 15 vezes mais tempo (no caso, 75 minutos). O mesmo protetor sobre uma pele mais escura, que sofre os efeitos solares após sete minutos, protege por 105 minutos. Mas, cuidado. Isso não quer dizer que o FPS 60 seja quatro vezes mais poderoso que o FPS 15, mas que ele protege por quatro vezes mais tempo.

Recomendadas para você